quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Comércio eletrônico - vovó já dizia: Precaução e canja de galinha não faz mal a ninguém

Uma pequena maratona que poderá servir de ajuda para quem quer se aventurar em compras na Internet.

Muitas compras começam em uma boa busca pelas ferramentas de ofertas como o site Buscapé (www.buscape.com.br) e outros, mas não acreditem em tudo que achar, existem muitas pegadinhas, golpes e meias verdades.

Eu queria comprar uma nova câmera fotográfica Nikon L810 e comecei como muitos fazendo uma pesquisa e encontrei várias ofertas com valores inferiores a R$ 500,00 o valor médio que eu encontrei nas lojas físicas foi de R1.000,00 e até R$ 1.200,00 e comecei a examinar cada uma das lojas virtuais.  Com um pouco de paciência comecei a descobrir que tratavam-se de pequenos negócios em cidades do interior de vários estados que adquirem produtos de terceiros, sem endereço físico da loja ou outras informações. Uma das formas de bancar o detetive é fazer uma busca pelo endereço (URL) da loja e descobrir em nome de quem está registrado, isso pode ser feito através do site https://registro.br/cgi-bin/whois/#lresp.  É comum descobrir que o nome da empresa usada no site nada tem a ver com o nome existente no registro e não raro duas, três ou mais lojas virtuais ligadas ao mesmo proprietário, nada disso é muito bom.

Outra possibilidade é colocar o nome da loja virtual no Google seguido da palavras reclamações e verificar se existe algum tipo problema com a empresa, desconfie dos elogios e leve em consideração todas as reclamações.
Para me resguardar, pelo menos, um pouco dos golpes resolvi não fazer nenhum tipo de pagamento por depósito bancário direto ou usar um cartão de crédito, então decidi só levar em consideração aquelas lojas que sejam afiliadas a empresas de cobrança.  Aí vai uma outra dica, considere empresas de renome e ligadas a grupos sólidos, no meu caso elegi o Pagseguro ( www.pagseguro.com.br ) como intermediário, pois no caso de haver qualquer problema basta informar à empresa dentro do prazo ( 14 dias no máximo ) e vc. poderá reaver o seu dinheiro, claro que tudo isso tem um custo, mas melhor pagar um pouquinho do que perder todo o dinheiro.

Dito e feito escolhi uma loja virtual chamada ZUBA que tinha o produto por R$ 499,90 e nem era dos mais baratos, mas tinha pagamento pelo Pagseguro, ops esqueci de dizer que optei por entrega pelo SEDEX 10 já queria colocar a mão rapidamente na câmera, mesmo com o acréscimo de R$ 69,45 e mais R$ 1,00 do Pagseguro o que totalizaria R$ 570,35.  Recebi os emails de praxe, de confirmação do cadastro, da confirmação da compra, da confirmação do pagamento e finalmente do comunicado de envio do equipamento.  Estranhamente, apesar do email de confirmação da remessa o material não chegava e o número do rastreamento do correio não foi informado.  Reclamei educadamente uma vez... duas e... recebi uma nova mensagem informando que estavam com dificuldades na entrega por um excesso de pedidos e me orientava a solicitar a devolução através da administradora de cartão de crédito ou da empresa de intermediação ( o que será que aconteceu com o dinheiro de quem depositou diretamento o dinheiro ou pagou por boleto bancário? diretamente a ZUBA ou DIGITALCAM ).  Para piorar o site saiu do ar e foi colocado o seguinte aviso:
Pedimos Desculpas pelos transtornos e atrasos que estão ocorrendo. Para Cancelamento da compra favor efetuar o bloqueio do pagamento a instituição financeira que foi realizado o pagamento.           Este site encontra-se em manutenção
 Pedimos Desculpas pelos transtornos e atrasos que estão ocorrendo.Para Cancelamento da compra favor efetuar o bloqueio do pagamento a instituição financeira que foi realizado o pagamento.  Este site encontra-se em manutenção
... e nenhuma notícia a mais sobre esta loja e seus vários clones... isso mesmo existem outras registradas no mesmo nome que também estão fora do ar com a mesma mensagem!!!

Outra possibilidade seria o de importar diretamente o produto.  Pesquisei uma loja de boa reputação localizada em Nova York e conhecida por um bom atendimento aos brasileiros pelo valor de R$ 410,00 já computado um desconto promocional e U$ 80,00 ( até 15 e dezembro )... mas tem sempre um mas... devem ser acrescentados o valor da remessa U$ 71,00, imposto de importação e taxa de desembaraço alfandegário ( seja lá o que isso signifique ) U$ 302,68 totalizando R$ 1.185,00.  Isso mesmo!!!!  mais caro do que em qualquer loja física especializada aqui do Brasil.  Só vale a pena se for para comprar material que não temos aqui no país.

Passado o susto voltei a busca, agora só lojas que tenham o seu correspondente real e com excelente reputação.  Encontrei o equipamento ao valor de R$ 634,00 incluídos já o transporte e 1 ano de garantia.  
Um pouco mais caro, mas sem a impressão que estar sendo tratado como um idiota de quem se pode roubar à vontade.
Ainda estamos um pouco longe do dia que poderemos comprar com tranquilidade pela internet sem sermos ratos viciados no uso da Grande Rede Mundial de Computadores. 

domingo, 21 de outubro de 2012

Comensais uni-vos

Salve Geral para todos os comensais cariocas

Começa nessa segunda-feira 22 de outubro de 2012 a 
7ª edição do Rio Restaurant Week.


Rendição de um carnívoro convicto

Tem horas que temos que nos render a qualidade!
Feito à quatro mãos, uma panqueca com recheio de ricota, espinafre, passas bêbadas no rum, molho bechamel, gratinadas do parmezon e nozes picadas para fazer croque...croque.  


Acompanhamento?  Salada de Alface crespa, alface roxa, rúcula e cebolas regados com azeite extra virgem e aceto balsâmico.  





Ué cadê as carnes?  Pois é não tem!!!   =:-o

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Alquimia e Alquimistas

Vivendo em pleno século XXI, com formação científica e tecnológica cada vez mais sou levado a acreditar na existência da Alquimia e consequentemente dos Alquimistas.


Deixa eu me explicar antes de ser atirado a fogueira da Santa Inquisição pelos meus eventuais leitores crédulos e praticantes do Racioalismo Científico.

Como usuário profissional e especialista em informática e como aprendiz amador das ciências ocultas da gastronomia e culinária tenho constatado que por mais rigorosos e criteriosos sejam os procedimentos os resultados não são confiáveis e muito menos reproduzíveis seguindo os métodos científicos.

Os fatos que comprovam a minha teoria são:
Venho tentando fazer a instalação de um software de exibição e gerenciamento de vídeos e arquivos multimídia em meu cadinho contemporâneo, ou seja meu notebook de trabalho e não obtenho sucesso, no que pese já te-lo feito em vários outros equipamentos idênticos ou semelhantes ao meu e todos usando o mesmo sistema operacional Windows 7.

Outro fato são os meus esforços para produzir uma boa torta para deleite das tardes de fim de semana.  Depois de examinar dezenas de receitas do mesmo produto, uma torta de maçã, escolhi a que me parecia estar mais perto das minhas pretensões e limitações culinárias.  Por ser uma atividade complexa achei mais prudente dividi-la em três etapas: a massa, o creme e a cobertura.

Nessa oportunidade vou me  ater as considerações sobre a massa.  Depois de repetir inúmeras vezes o mesmo procedimento e obtendo resultados desfavoráveis com massas duras e pesadas, analisei as condições astronômicas, astrológicas e meteorológicas e decidi realizar mais uma incursão nos obscuros meandros dessa atividade.

De posse de todos os ingredientes minuciosamente medidos comecei a manipulação juntado os ovos, (acrescentei um a mais por conta do tamanho daqueles que tinha disponível, mas qual é o tamanho daqueles citados no roteiro) e açúcar (no documento permitia a opção de açúcar cristal ou refinado, optei pelo refinado e desconfio se o resultado seria o mesmo com o alternativa) e misturando rapidamente de modo a não permitir que reações químicas provocassem a degradação das substâncias seguindo da adição da manteiga na temperatura ambiente (qual será a temperatura no local, que o especialista desfrutava no momento em que transferiu para o papel as suas informações culinárias?)  e mais uma vez  emulsificando o conteúdo obtendo apenas uma fase.  Finalmente chegamos ao ponto crítico desta etapa incorporar duas xícaras de farinha de trigo à pomada já obtida de modo a formar uma massa que desgrude da mão.  Gostaria de esclarecer que em  tentativas anteriores consegui o resultado indicado neste momento, sem o sucesso final.  Retornando à atividade e de modo totalmente intuitivo decidi manipular a massa com a mão sinistra, a mão da intuição e do espírito e acrescentar as duas xícaras, já medidas, com a mão destra a mão do racional do consciente fui acrescentando vagarosamente a farinha que foi transformando o conteúdo conforme os procedimentos foram sendo realizados.  Para a minha surpresa  ao aproximar do quarto final do total da farinha, como por um encanto, a massa desprendeu totalmente da mão, momento em que interrompi o acréscimo.  Obtive uma massa elástica, fácil de manipular, o que permitiu forrar a forma com uma camada bem fina e que após quinze minutos em um forno médio ( seja lá o que isso quer dizer ) obtive uma torta macia, mas que mantem a estrutura, pronta para receber o recheio e a cobertura e que desprende-se do receptáculo sem a untar  previamente.

Enfim dois terços do mistério foi desvendado, o creme do recheio e a massa, só falta a cobertura de fruta imersa no maior dos mistério, o caramelo perfeito.

Para os iniciados estou disponibilizando o caminho para acessar os escritos...

terça-feira, 7 de agosto de 2012

TASK COUNTER

Recentemente me envolvi em uma tarefa que deveria me tomar duas horas diárias com a sua execução.  Depois de uns poucos dias notei que a coisa não estava acontecendo bem como o previsto.  Resolvi quantificar as minhas atividades que em geral são a frente do computador.  Procurei um software que resolvesse o meu problema e achei o TASKCOUNTER que estou testando.
Veja o vídeo que fala sobre isso e se tiver interesse lá no final tem um link para a página de download.  Se alguém tiver um programa melhor ou quiser fazer um comentário, eu agradeço antecipadamente.

video
Para fazer o download do programa clique aqui ou vá em

segunda-feira, 2 de julho de 2012

PUBLICIDADE GENIAL

Passando por uma das ruas do bairro da Tijuca no Rio de Janeiro tomei um susto e logo em seguida achei genial a publicidade de uma rede de lanchonetes.

Acho que estão domesticando o João Gordo!!!

RIO DE JANEIRO É PATRIMÔNIO CULTURAL DA HUMANIDADE

Este domingo, dia 1 de julho de 2012, é um dia histórico para o Brasil. Esta é a data em que a cidade do Rio de Janeiro tornou-se a primeira do mundo a receber o título da Unesco de Patrimônio Mundial como Paisagem Cultural Urbana

A candidatura, apresentada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), foi aprovada durante a 37ª Sessão do Comitê do Patrimônio Mundial, reunido em São Petersburgo, na Rússia. As informações são do Iphan.

Veja o porquê clicando aqui ou na sessão de fotos 

quarta-feira, 20 de junho de 2012

PRESIDENTE E NÃO PRESIDENTA


Recebi, recentemente, uma mensagem com um texto atribuído ao Sr. Hélio Fontes que passo a reproduzir uma parte que considero pertinente

No português existem os particípios ativos como derivativos verbais.Por exemplo: o particípio ativo do verbo atacar é atacante, de pedir é pedinte, o de cantar é cantante, o de existir é existente, o de mendicar é mendicante.   Qual é o particípio ativo do verbo ser?   O particípio ativo do verbo ser é ente. Aquele que é: o ente.   Aquele que tem entidade. Assim, quando queremos designar alguém com capacidade para exercer a ação que expressa um verbo, há que se adicionar à raiz verbal os sufixos ante, ente ou inte.  Portanto, à pessoa que preside é PRESIDENTE, e não "presidenta", independentemente do sexo que tenha. Se diz capela ardente, e não capela "ardenta"; se diz a estudante, e não "estudanta"; se diz a adolescente, e não "adolescenta"; se diz a paciente, e não "pacienta".

quinta-feira, 7 de junho de 2012

Mais um golpe bem feito

Caros amigos, este é mais um dos milhares de golpes que circulam pela internet tentando capturar as suas senhas de banco e outras informações pessoais. Como quase todo mundo tem pelo menos um financiamento ou empréstimos em andamento os marginais aproveitam da situação para lançar a sua isca. Enviam um e-mail como o que mostro abaixo com links que acionarão programas maliciosos implantados no seu computador. Na maioria dos casos esses programas não são detectados pelos antivirus já que você autorizou a sua instalação ao clicar em um dos links.


Veja o aviso na internet da própria empresa que teve o seu nome utilizado.

Cobranças e avisos só por escrito e pelo correio e nem assim acessem eventuais endereços de sites encaminhados. Verifique tudo pessoalmente e não forneça dados pessoais. Emails de cobrança apaguem imediatamente sem clicar em nada, nem mesmo naqueles avisos do tipo "não desejo receber mais esses avisos"

quinta-feira, 31 de maio de 2012

PROMESSA É DÍVIDA

FOTOS 360 GRAUS
Em algum momento, no passado recente, eu prometi que ia transformar as minhas imagens panorâmicas em fotos 360º.  Ainda não chegamos ao ideal, mas já estamos à caminho.

Clique em alguma área da imagem e arraste.
Para amplicar clique na seta no canto superior direito

segunda-feira, 28 de maio de 2012

DICA QUE EU DESCONHECIA NO WINDOWS 7

Alinhando duas janelas

Volta e meia eu precisava alinhar lado duas janelas simultaneamente. A tarefa me dava muito trabalho já que precisava restaurar os dois aplicativos e depois tinha que redimensiona-los até que cada um ocupasse metade da área de trabalho.


Para minha surpresa, por acidente, ao arrastar um aplicativo e tocar com o ponteiro do mouse na borda lateral da área de trabalho a janela foi redimensionada automáticamente no tamanho da metade da tela.
Tudo ficou mais simples é só restaurar os aplicatvos e arrastar um até tocar com o ponteiro do mouse na borda direita e com o outro aplicativo na borda esquerda. 


quarta-feira, 23 de maio de 2012

DOODLE DO GOOGLE SE SUPERA

Um sintetizador que funciona e grava

Desta vez o site de buscas do Google se superou!  Já são comuns as homenagens do conhecido site de buscas aos eventos e datas comemorativas do mundo ao substituir a tradicional logomarca colorida por imagens alusivas.  










No entanto, dessa vez o site superou todas as expectativas ao homenagear Robert Moog o criador do sintetizador Moog.
O site postou no dia 23 de maio de 2012 uma "imagem" que permite que se toque, opere e grave no tal sintetizador Moog.
Experimente, acesse link abaixo e participe dessa experiência interativa.

terça-feira, 22 de maio de 2012

Rio Restaurant Week 2012

Para desespero dos fazedores de dieta começou mais um 
Rio Restaurant Week edição 2012
de 21 de maio a 3 de junho.

Começou a sexta edição do Rio Restaurant Week, que deveria chamar "Two week" já que vai de 21 de maio a 3 de junho.  Este ano senti falta dos restaurantes da zona norte da cidade, o cardápio do Planeta do Chopp no Boulevard 28 de setembro, bem na entrada de Vila Isabel, ano passado estava muito bom.

Bom...!  Vamos ao que interessa. 
Acesse o site do evento em http://www.restaurantweek.com.br/rj e faça a busca pelo restaurante, pelo bairro ou pelo tipo de culinária.
... e o melhor, como no ano passado, o preço é único!

"Os menus vão custar R$31,90 no almoço e R$43,90 no jantar incluindo entrada + prato principal + sobremesa. Cada restaurante vai oferecer duas opções de cada item para que o cliente escolha o de sua preferência. Bebidas, couvert e serviço não estão inclusos no valor"

.... um almoço ou jantar desses não sairia por menos de cem reais.


Aproveite!  Coma bem... Pague pouco... e depois faça ginástica.

domingo, 20 de maio de 2012

FOTOS DE MINHA AUTORIA

Para começar a inspiração para mais uma maratona do concurso de fotografias do site carioquinha 2012 estou apresentando as primeiras candidatas a serem enviadas. 

Série voo-livre

quarta-feira, 11 de abril de 2012

Ler e pensar não custa nada...

Eu nem acho que pelo fato  dele ter alguns bilhões de dólares tudo que fala deva ser levado em conta mas, o que se segue tem coerência e pé no chão.
Em um discurso para alunos  o multibilionário, criador da Microsoft Bill Gates apresentou as seguintes regras. 

Regra 1: A vida não é fácil.  Acostume-se com isso.  

Regra 2: O mundo não está preocupado com a sua auto-estima.  O mundo espera que você faça alguma coisa de útil por ele (o mundo) antes de aceitá-lo.  

Regra 3: Você não vai ganhar vinte mil dólares por mês assim que sair da faculdade.  Você não será vice-presidente de uma grande empresa, com um carrão e um telefone à sua disposição, antes que você tenha conseguido comprar seu próprio carro e ter seu próprio telefone.  

Regra 4: Se você acha que seu pai ou seu professor são rudes, espere até ter um chefe. Ele não terá pena de você.  

Regra 5: Vender jornal velho ou trabalhar durante as férias não está abaixo da sua posição social.  Seu avós tinham uma palavra diferente para isso.  Eles chamavam isso de “oportunidade”  

Regra 6: Se você fracassar não ache que a culpa é de seus pais.  Não lamente seus erros, aprenda com eles. 

Regra 7: Antes de você nascer seus pais não eram tão críticos como agora.  Eles só ficaram assim por terem de pagar suas contas, lavar suas roupas e ouvir você dizer que eles são “ridículos”.  Então, antes de tentar salvar o planeta para a próxima geração, querendo consertar os erros da geração dos seus pais, tente arrumar o seu próprio quarto. 

Regra 8: Sua escola pode ter criado trabalhos em grupo, para melhorar suas notas e eliminar a distinção entre vencedores e perdedores, mas a vida não é assim.  Em algumas escolas você não repete mais de ano e tem quantas chances precisar para ficar de DP até acertar.  Isto não se parece com absolutamente NADA na vida real.  Se pisar na bola está despedido… RUA! Faça certo da primeira vez. 

Regra 9: A vida não é dividida em semestres.  Você não terá sempre férias de verão e é pouco provável que outros empregados o ajudem a cumprir suas tarefas no fim de cada período. 

Regra 10: Televisão não é vida real.  Na vida real, as pessoas têm que deixar o barzinho ou a boate e ir trabalhar. 

Regra 11: Seja legal com os CDF´s – aqueles estudantes que os demais julgam que são uns babacas. ”Existe uma grande probabilidade de você vir a trabalhar para um deles.”

terça-feira, 10 de abril de 2012

As várias faces do icosaedro 1 - A origem



Tudo começou com um e-mail de uma amiga, doutora, de uma universidade pública que me encaminhou o seguinte artigo:


8. Escola, computadores e tablets, artigo de Nelson Pretto


Nelson Pretto é professor da Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia e secretário regional da SBPC-Bahia. Artigo publicado no portal Outras Palavras.
Mais novidades para a educação com o anúncio da distribuição pelo MEC de tablets para os professores do ensino médio. Para "discutir" o tema, aconteceu semana passada, em Brasília, uma reunião promovida pelo próprio MEC com diversos pesquisadores brasileiros. A compra dos tablets foi anunciada pelo ministro Mercadante, mas a decisão já estava tomada pelo anterior, ministro Haddad. Fui convidado para a reunião, meio que sem saber direito o que iríamos ter por lá. Para variar, a reunião virou evento como bem gostam certos educadores e gestores públicos. Evento, não: aula, seminário.

É curioso, pois tive a oportunidade de participar de uma reunião com o próprio Mercadante, então ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, que foi, de fato, uma bela conversa com os hackers e pesquisadores presentes na 12º Fórum Internacional do Software Livre (FISL), acontecido em junho passado em Porto Alegre. Lá, com um número mais ou menos igual de pessoas do encontro da semana passada, um círculo foi formado, as ideias circularam livremente numa grande roda de conversa, e foram feitas inúmeras sugestões sobre as possibilidades do MCTI construir, efetivamente, uma política pública no campo do software livre, do desenvolvimento científico e tecnológico do País e da formação científica da juventude, com a possibilidade de implantação e apoio a algo do tipo "garagens digitais de C&T". Conversa boa, que fluiu leve e com perspectivas positivas. Mas Mercadante deixou a Ciência & Tecnologia e não sabemos se o ministro Raupp dará continuidade ao encaminhado, o que seria uma grande perda.

Quando fui convidado para a reunião sobre "educação digital" (esse era o nome do "evento") do MEC em Brasília, imaginava algo semelhante, em torno de uma mesa, com uma conversa franca sobre os rumos que poderiam tomar os projetos de uso de tecnologias digitais na educação, que existem desde muito. A conversa não aconteceu, e a rica possibilidade de uma reunião onde as ideias rolassem soltas, possibilitando ao ministro e sua equipe (se tempo tivessem para acompanhar!) sentirem as diversas possibilidades apresentadas por nós, pesquisadores que estudam o tema.

Minha surpresa veio desde o início. Ao chegarmos na reunião, encontramos cadeiras (carteiras?!) arrumadas como uma sala de aula, um projetor para as nossas apresentações (com um sistema operacional proprietário fazendo sua propaganda gratuita com aquela bandeirinha ao fundo!), essas com um tempo fixo para as falas - que foi meio para nós mesmos e para uma câmera que gravava tudo - sobre as nossas próprias experiências, salvo uma ou outra fala mais estruturante. A surpresa ainda foi maior quando nos deparamos, em paralelo, promovido pelo mesmo MEC e no mesmo hotel, com uma outra reunião/evento ("Uso das tecnologias na educação") para discutir a parte técnica do projeto de "educação digital", como se fosse possível pensar os dispositivos e infra-estrutura separadamente da concepção filosófica e pedagógica. Mesmo que depois o MEC tenha nos dito que os dois grupos iriam se reunir, fica evidente o equivoco brutal na concepção dessa política pública. Essa distinção tem, no mínimo, um século de atraso!

O ponto nevrálgico, penso eu, está centrado sempre e sempre na mesma questão: as políticas públicas consideram que educação é sempre aula, aula com professor na frente ditando o rumo! Com essa concepção de educação, mesmo que de forma subjacente e não explicitada nos discursos, chegamos à grande questão e ao maior desafio quando pensamos em cultura digital: de que adianta termos notebooks, computadores, câmeras e tablets se o que se espera da escola, em última instância, é que tudo se resuma a um professor dando aulas?

Outra pergunta que têm sido feita, principalmente na mídia, é se deve ou não o MEC adquirir os tablets para os professores? A resposta não pode ser tímida: claro que sim! Mas insisto, temos que pensar maior pois não se trata de discutir se devemos ou não ter a TV Escola, ou ProInfo, ou UCA, ou os laboratórios do Proinfo ou os tablets. Trata-se de tudo e, essencialmente, da elaboração de uma política de tecnologia da informação para a educação, e aqui não estou me referindo a ensino básico ou ensino médio, mas a todos os níveis, das primeiras séries à pós-graduação.

Quem me lê pelo menos eventualmente sabe que repito, quase como um mantra, que estas políticas precisam articular diversas áreas e Ministérios (pense na riqueza de uma articulação das escolas com os Pontos de Cultura!). Insisto que o MEC tem que ser rede, e rede estabelecida com os estados, rede com outros Ministérios, rede com os professores e rede que englobe os diversos níveis da educação.

No entanto, qualificar a palavra "rede" é fundamental. Ficamos acostumados a compreendê-la a partir do intensivo uso da palavra no sistema de comunicação de massa, com a expressão "rede de emissoras de televisão", que produzem os programas no eixo Rio-São Paulo e os distribuem para o resto do País. E, neste caso, mesmo quando existe o envolvimento e participação das chamadas afiliadas, o que vemos são, por exemplo, telejornais que reproduzem tudo, do cenário, entonação da voz, estrutura de programa até a sua marca, com pequenas variações de letras para dar a tal cor local. Na verdade, esse tipo de rede é de distribuição (brodcasting) e não é isso que preconizamos para a educação. É necessário que a rede se constitua a partir do diálogo, que considere a realidade e os valores de cada um dos entes e regiões.

Numa rede assim constituída, com professores atuando de forma colaborativa e coletiva, lhes sendo dadas as condições de salário, formação e trabalho, a presença das tecnologias - todas elas ao mesmo tempo! - pode muito contribuir para uma formação também mais ampla, uma formação que prepare professores e alunos para a chamada cultura digital. O problema, nesse campo, é que parece que o governo - e o MEC em especial - tem receio de afirmar publicamente que vai simplesmente entregar tablets aos professores para que sejam usados como elementos de informação e comunicação para o próprio professor. Tem receio de ser criticado por, corretamente, entregar equipamentos que podem contribuir, pela sua própria natureza, para reestruturar o sistema, sem necessariamente se constituir num veículo de mais transmissão de informações "geradas" de forma centralizada, ou pelo MEC ou por uma das nossas universidades. Computador, tablet, smartfone e todas essas tecnologias não podem ser vistas somente como meros auxiliares dos mesmos processos educacionais.

Precisamos, com tudo isso presente na escola, que os professores estejam preparados para interagir com a meninada que, já, já, também deveria receber seus gadgets portáteis e, nos espaços coletivos da escola, produzir culturas e conhecimentos e não simplesmente consumir informações.

Para tal, insistimos: a preparação dos professores não se dará com a simples oferta de cursos de formação (muito menos padronizados!) e sim de um amplo programa de fortalecimento dos professores (salário, formação e condições de trabalho) visando a imersão dos mestres na cultura digital.
... e eu respondi... !

As várias faces do icosaedro 2 - A resposta



Eu gosto do Pretto como guru... ele inspira... ele questiona... ele desafia... e isso é fundamental para o nosso país tão acostumado a copiar, e mal, as coisas lá de fora.


Eu já passei, tem alguns anos dos 50 ... eu nem acreditava que chegaria neles... e ando meio de saco cheio de tantas idéias sem que isso seja acompanhado de uma proposta pé no chão ( nesse ponto eu mantenho a minha coerência ou teimosia seja lá como se queira denominar a minha atitude ). 

Concordo em gênero, número e grau que deve-se dar acesso, ao professor, às ferramentas tecnológicas, mas sou totalmente contra que o MEC faça uma licitação para a compra de “trucentos tablets” ( da Positivo... e aposto com quem quiser que serão esses os comprados ) para os professores reclamarem que isso está sendo imposto a eles.  Acho sim que deveria ser aberta uma linha de crédito para que o professor possa adquirir até dois tablets, ou netbooks, ou notebooks ou quem sabe até desktop sem juros dividido em 36 meses descontado em folha, negociado com várias empresas a preço de fábrica e sem intermediários ( aí pode ser até da Positivo ) o que daria um valor aproximado de R$ 20 (isso mesmo vinte reais por mês) Façam os cálculos 20 X 36 são 720 isso atende aos principais equipamentos à preço de fábrica.

Não adianta nada, ou muito pouco, se você tem computador e não tem acesso à Internet... então, vamos ao mesmo raciocínio... ou se vai disponibilizar internet para todos os professores ou então pouco adianta... uma internet de qualidade razoável, pelo menos 1 Mbs, e não pode custar mais do que 5 (cinco reais) eu diria até que o ideal é ter áreas digitais... coloca a internet na escola e abre o wifi para todos que alcançarem, professores, alunos, vizinhos.  Alguns poderão criticar que assim a internet vai ficar lenta para a escola ou para o professor... ok então... vamos liberar a internet só quando a escola está fechada... (... se bem que acho isso bobagem... pois se tem demanda é porque está sendo usada... e isso é o que importa... é um absurdo os governos pagarem uma fortuna às Ois da vida para 70% do tempo não ser usada.  Falo por experiência própria a escola só usa internet das 7 as 17 de segunda à sexta faça as contas de novo  24h X 7 dias = 168 horas  de disponibilidade contra 10 horas X 5 dias = 50 horas de uso resultado... 70,24% de não uso !!!  Eu e a minha mania horrorosa de fazer conta... culpa da minha professora da EP ( escola pública ) Maria do Carmo que me ensinou a fazer isso...

O dia que eu for diretor de uma escola... deus me livre e guarde... eu libero o wifi fora do expediente para o público (provavelmente serei exonerado do cargo).

... continua...

As várias faces do icosaedro 3 - A continuação


Bom... mas vamos ao que importa de verdade... a maioria dos professores desse país não sabe fazer as 4 operações com conhecimento... vivemos a síndrome do vai 1 ... 

A maioria dos cursos universitários, em especial os de licenciatura, não utilizam os recursos da informática, telemática ou seja lá o nome que queiram dar, de forma sistemática com embasamento em suas cadeiras.  
Querem ver uma coisa, pergunta para qualquer guri se o Counter Strike é um jogo em Primeira ou Terceira Pessoa... tá eu sei que não temos (ou será que temos?) que saber dessas coisas, mas como falar com nossos alunos se não conhecemos a realidade e nem o idioma que eles falam.  
Qual será a diferença entre um jogo em primeira pessoa para um jogo em terceira pessoa... será que isso faz diferença para o professor?... Será que isso tem alguma coisa com licenciatura , didática, pedagogia...?  
Eu sei, que os professores não conseguem prender a atenção dos alunos por mais de 10 minutos, quando conseguem mas eles, os alunos, ficam horas em seus jogos e o fazem com maestria e ninguém ensina nada a eles ( formalmente ), trocam dicas entre eles naturalmente... um ensina ao outro como passar de fase... e quando são reprovados ( ops...digo... quando não conseguem passar de fase ) eles verificam onde falharam... procuram mais informação sobre o problema... aprimoram as suas habilidades até conseguir êxito... e isso sem traumas ou revoltas, muito pelo contrário... ao conseguirem, comemoram...!  
Claro que um jogo fácil demais não tem graça e nem aquele impossível.  Tem que haver uma certa  didática ( ou melhor jogabilidade ).

As várias faces do icosaedro 4 - O retorno


O Pretto fala em rede e colaboração... mas vamos aqui entre nós... quem vai "perder" tempo em produzir qualquer. coisa que não te dá retorno?

Temos que criar meios para que o professor e sei lá mais quem possa publicar ( tornar público ) suas aulas... seus livros... seus softwares... e seja remunerado..., não pelo fato de fazer, mas pela aceitação do seus produtos.  Vejo essas gráficas virtuais como um excelente exemplo e forma de fazer isso ( você faz, publica... e diz quanto quer ganhar... se alguém comprar você recebe... se ninguém comprar fica o dito pelo não dito ) ... isso serviria para softwares também e, talvez., para kits de ciências e de matemática tudo sob demanda.  O governo criaria os suportes e deixa a coisa andar.  Quem sabe as universidades até produziriam coisas interessantes e disponibilizaria... se lembra do EDUCOM ... o principal pecado foi que levou tanto tempo para ser produzido e nunca foi distribuído e nunca foi atualizado... perdeu o bonde tecnológico...os MSXs sumiram antes dos softwares chegarem ao público... tinham coisas ruins na concepção... mas tinha uns 20% interessantes.  Por favor não me venha falar de trabalho acadêmico naquele caso.

Ainda sobre a publicação é necessário que se desburocratize o processo... Nossa! É tanta taxa, formulário e coisas para fazer que a maioria desiste.  Veja só o meu caso... eu tenho os manuais do GCompris prontos... e resolvi publicá-los em uma editora virtual... tem que:  1) depositar no escritório de direitos autorais - Biblioteca Nacional  2) criar a ficha catalográfica - Câmara Brasileira do Livro  3) Tem que conseguir o ISBN - outro setor da Biblioteca Nacional.  Tudo isso com taxas... formulários... e cópias do livro ( em papel... acredite em PAPEL )...  que tal se isso fosse automático... vc. manda o livro pra editora e o resto acontece já que as informações são as mesmas, as cópias são as mesmas.  Sobre as taxas, que tal descontar alguns centavos de cada livro adquirido e pronto quando  e  se esses forem adquiridos.

Vocês sabem que estou traduzindo uma ferramenta para criar ambientes virtuais, desenvolvido por uma universidade espanhola, sabendo que o material produzido pode ser integrado ao MOODLE, pode ser usado também independente de qualquer outro programa e, pasmem... em qualquer sistema operacional... Windows... Apple... Linux... Andróide (que não deixa de ser um tipo de Linux)... tudo isso porque ele foi desenvolvido em JAVA...  e, claro, vou escrever o manual... e mais um livro de como desenvolver ambientes virtuais e como usar eles no ensino... se não render nada pelo menos renderá o meu prazer de escrever...

Bom... isso é só para começar o papo... teria mais um monte de horas a falar... mas já estou cansado e vocês  também, com certeza...

LEIAM TAMBÉM:

segunda-feira, 19 de março de 2012

Tablet xingling que coube no bolso e está resolvendo o dia a dia - 7ª parte - Um visualizador de vídeos decente

Um visualizador de vídeos decente

Já dizia minha saudosa vozinha "é a necessidade que faz o sapo pular".  Um amigo pediu algumas dicas sobre o tablet, já que estava adquirindo um igualzinho.  Tudo corria as mil maravilhas, até que ele foi testar a visualização das centenas, talvez milhares de vídeos nos mais diversos tipos de arquivos colecionados durante anos. Qual não foi a surpresa, tudo e mais um pouco aconteceu e não aconteceu.  Alguns arquivos funcionaram bem, outros ão abriram, outros perderam a sincronia com o som e sabe-se lá mais o quê.
Bom... sobrou pra mim... mas nada que uma boa busca na internet não resolvesse.
Analisando vários players de vídeo para android resolvi instalar o MOBOPLAYER que prometia executar todos os arquivos de vídeos,
 legendas e múltiplos idiomas.
Surpresa!  Não é que o programa funciona!!!
Então aí vai a dica... acesse um dos endereços a seguir, baixe, instale no seu Android e veja feliz os seus arquivos de vídeo sem que eles travem a todo momento.

ou

Missão cumprida... Vamos esperar a próxima demanda.

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Que lua !

Acordei cedo e deparei com essa lua...
A associação da lua cheia com o clima extremamente seco dos últimos dias permitiu o belo espetáculo.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

GUIA DO IPVA 2012 RJ – OVO DE COLOMBO EM CINCO, OU MAIS, CAPÍTULOS


Há mais de quinze dias estou tentando obter a guia do IPVA do meu carrinho e nada.  Agi como faço todos os anos, acessando um caixa eletrônico do banco ITAÚ e para a minha surpresa recebia a mensagem de erro informando que a conexão com o DETRAN não tinha sido possível, sem qualquer outro esclarecimento.  Depois de várias tentativas resolvi recorrer a gerencia de uma das agências que informou que o convênio para a emissão do documento tinha sido cancelado e que eu deveria me dirigir a uma agência do banco BRADESCO.  

Procedendo como orientado recorri a um caixa eletrônico do segundo banco e dessa vez nem mesmo alguma indicação no equipamento tinha.  Mais uma vez recorri a um atendente do banco que me informou que eu deveria acessar os sites do BRADESCO e do DETRAN para obter a emissão da guia de pagamento.  Agora sim... ficou fácil... ledo engano... comecei a busca pelo site do BRADESCO que em sua página inicial não contém nenhuma indicação.  

Sem outra opção acessei o site do DETRAN-RJ.  Enfim uma indicação na primeira página do site que depois de duas outras páginas sou levado ao site da Secretaria de Estado de Fazenda do Rio de Janeiro que... que não abre!!!!

Como último recurso, recorri ao santo Google e depois de dois dias de buscas e dezenas de páginas visitadas, consegui uma luz no fim do túnel uma página interna do site do banco BRADESCO que depois de passar por mais duas outras consegui emitir a famigerada guia e com um movimento a mais tenho tudo impresso restando procurar qualquer agência bancária, dentro do prazo de vencimento, e efetuar o pagamento do imposto.

Agora uma pequena reflexão... essa trabalheira toda porque eu sou obrigado a pagar um imposto, imaginem se eu quisesse requerer a devolução de uma taxa paga indevidamente ou o ressarcimento por algum prejuízo de responsabilidade de uma entidade pública.

Bom... agora vamos ao que interessa... o endereço mágico para obter a guia para o pagamento do IPVA é: 


Resumo da ópera: É um show de incompetência e descaso do Banco Itaú, Banco Bradesco, DETRAN-RJ e Secretaria Estadual de Fazenda do Rio de Janeiro